Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
.
.
Mêmnom ou a Sabedoria Humana
.
.
por: Voltaire
.
Um dia Mêmnon concebeu o insensato projeto de ser perfeitamente sábio. Não existe ninguém a quem alguma vez não tenha passado pela cabeça esta loucura. Mêmnon disse consigo mesmo: 

- Para ser muito sábio, e por conseguinte muito feliz, basta não ter paixões; e nada mais fácil, como se sabe. Antes de tudo, não amarei jamais mulher alguma, pois, vendo uma beleza perfeita, direi com os meus botões: - Essas faces um dia se cobrirão de rugas; esses belos olhos ficaram avermelhados em redor; esse colo redondo se tornará chato e pendente; essa bela cabeça ficará calva. 

- Ora, basta-me vê-la agora com os mesmos olhos com que a verei então, e seguramente esta cabeça não fará a minha andar à roda. Em segundo lugar, serei sóbrio. Não terá efeito sobre mim a tentação da boa mesa, dos vinhos deliciosos, a sedução da sociedade; bastará que eu me representa a conseqüência dos excessos - cabeça pesada, estômago embrulhado, a perda da razão, da saúde e do tempo - e então não comerei mais do que o necessário; minha saúde será sempre igual, minhas idéias sempre puras e luminosas. Tudo isso é tão fácil que não há mérito algum em alcançá-lo. 

Depois - dizia Mêmnon - é preciso refletir um pouco em minha situação pecuniária. Meus desejos são moderados; meus bens estão solidamente confiados ao recebedor-geral das finanças de Nínive; tenho com que viver independente: eis aí o maior dos bens. Nunca me verei na cruel necessidade de cortejar: não invejarei ninguém e ninguém me invejará. Também é coisa fácil, portanto. Tenho amigos, continuava ele -, hei de conservá-los, pois nada terão que me disputar. Não me aborrecerei jamais com eles, nem eles comigo; nenhuma dificuldade nisso." 

Havendo assim traçado em seu quarto o pequeno plano de sabedoria, Mêmnon pôs a cabeça à janela. Viu, perto de casa, duas mulheres que passeavam sob os plátanos. Uma era velha, e parecia não pensar em nada; a outra era jovem, linda, e parecia muito preocupada. Suspirava, chorava, e isto só lhe fazia aumentar o encanto. O nosso sábio sentiu-se comovido, não pela beleza da dama (bem seguro estava ele de não sentir uma tal fraqueza), mas pela aflição em que a via.

Desceu, achegou-se à jovem niniviana, na intenção de consolá-la com sabedoria.

A bela criatura contou-lhe, com o ar mais ingênuo e comovente, todo o mal que lhe fazia um tio que ela não tinha; com que astúcias ele lhe arrancara um bem que ela nunca possuíra; e tudo o que ela podia recear da violência dele. 

- Pareceis-me homem tão prudente - disse-lhe ela - que, se tivésseis a condescendência de me acompanhar a minha casa, e examinar os meus negócios, estou certa de que me tiraríeis do cruel embaraço que me encontro. 

Mêmnon não hesitou em segui-la, para examinar sabiamente os seus negócios e dar-lhe um bom conselho. A dama aflita o conduziu a um quarto perfumado e, polidamente, fê-lo sentar com ela num largo sofá, onde se mantinham os dois de pernas cruzadas um diante do outro. A dama falou baixando os olhos, donde por vezes saíam lágrimas, e que, erguendo-se, se encontravam sempre com os olhares do sábio Mêmnon. Suas palavras eram cheiras de um enternecimento que dobrava de ponto todas as vezes que os dois se fitavam. 

Mêmnon tomava extremamente a peito os negócios dela, e sentia de momento a momento o maior desejo de obsequiar pessoa tão honesta e tão desagradada. No calor da conversação, deixaram insensivelmente de estar um diante do outro.

Descruzaram-se-lhe as pernas. Mêmnon aconselhou-a de tão perto, fez-lhe advertências tão ternas, que já não podia nenhum dos dois falar de negócios, nem sabiam mais onde se achavam. 

Estavam assim quando chegou o tipo, como é fácil imaginar; vinha armado, da cabeça aos pés; e a primeira coisa que disse foi que ia matar, como de justiça, o sábio Mêmnon e a sua sobrinha; a última que lhe escapou foi que podia perdoar por muito dinheiro. Mêmnon viu-se obrigado a dar tudo o que tinha. Felizes tempos aqueles em que se conseguia resgate por preço tão módico; a América ainda não tinha sido descoberta, e as damas aflitas estavam longe de ser perigosas como as de hoje. 

Envergonhado e em desespero, Mêmnon retornou a casa; lá encontrou um bilhete que o convidava a jantar com alguns de seus amigos íntimos. - Se eu ficar em casa sozinho - pensou -, estarei com o espírito ocupado com a minha triste aventura, não comerei, cairei doente; é melhor ir fazer com os meus amigos íntimos minha refeição frugal. Na doçura de seu convívio esquecerei a tolice que pratiquei esta manhã.-Vai ter com os amigos; acham-no um pouco triste. 

Fazem-no beber para dissipar a tristeza. Um pouco de vinho, tomado com moderação é remédio para a alma e para o corpo. Assim pensa o sábio Mêmnon; e embriaga-se. Propõem-lhe jogar, depois do repasto. Um jogo moderado com amigos é passatempo honesto. Joga, ganham-lhe tudo o que tem na algibeira e quatro vezes mais sob palavra. Trava-se uma disputa a propósito do jogo, acendem-se os ânimos: um de seus amigos íntimos atira-lhe à cabeça um copo de dados e vaza-lhe um olho. Levam o sábio Mêmnon para casa, bêbado, sem dinheiro, e com um olho a menos. 

Ele curte um pouco a embriaguez; e apenas sente a cabeça mais livre, manda seu criado buscar dinheiro ao recebedor-geral das finanças de Nínive para pagar seus amigos íntimos; dizem-lhe que o recebedor fez pela manhã uma bancarrota fraudulenta, que deixa alarmadas cem famílias. Furioso, Mêmnon vai à corte com um emplastro no olho e um requerimento na mão, para pedir justiça ao rei contra o bancarroteiro. Encontra num salão diversas damas, que traziam, todas, com um ar desembaraçado, arcos de vinte e quatro pés de circunferência. Uma delas, que o conhecia um pouco, disse, fitando-o de soslaio: 

- Oh, que horror! 

Outra, que o conhecia melhor, disse-lhe: 

- Boa tarde, sr. Mêmnon; mas falando com franqueza, sr. Mêmnon, estou muito contente de vê-lo. A propósito, sr. Mêmnon, como perdeu o olho? 

E passou sem esperar resposta. Mêmnon escondeu-se a um canto e esperou o momento em que pudesse atirar-se aos pés do monarca. Esse momento chegou. 

Beijou três vezes o chão, e apresentou seu requerimento. Sua Graciosa Majestade entregou-o a um dos seus sátrapas para que este o informasse a respeito do caso. 

O sátrapa chamou à parte Mêmnon, e disse-lhe com ar altivo, amargamente escarninho: 

- Eu acho graça, meu caolho, em te dirigires primeiro ao rei do que a mim, e acho ainda mais graça em ousares pedir justiça contra um honesto bancarroteiro que eu honro com a minha proteção. Abandona essa causa, meu amigo, se queres conservar o olho que te resta. 

Havendo assim, pela manhã, renunciado às mulheres, aos excessos de mesa, ao jogo, a qualquer disputa, e sobretudo à corte, Mêmnon tinha sido, durante a noite, enganado e roubado por uma bela dama, embriagado-se, jogado, tido uma disputa, perdido um olho e ainda zombado na corte. Petrificado e ralado de dor, voltou com a morte na alma. Quer entrar em casa: lá encontra os meirinhos que lhe desmobiliavam a casa por parte dos credores. 

Posta-se quase sem sentidos, sob um plátano; lá encontra a bela mulher da manhã, que passeava com seu caro tipo e que desatou a rir ao ver Mêmnon com o emplastro. 

Veio a noite; Mêmnon deitou-se sobre umas palhas junto às paredes de sua residência. Salteou-o a febre; durante o acesso, adormeceu e um espírito celeste apareceu-lhe em sonho. Era todo resplandecente de luz. Tinha seis belas asas, mas não possuía pés, nem cabeça, nem cauda, e não se assemelhava a coisa nenhuma. 

- Quem és? - disse-lhe Mêmnon. 

- Teu bom gênio - respondeu-lhe o outro. 

- Restitui-me então o meu olho, a minha saúde, os meus bens, a minha sabedoria, - disse-lhe Mêmnon. 

A seguir contou-lhe como perdera tudo isso em um único dia. 

- Eis aí aventuras que não nos acontecem nunca no mundo que habitamos - disse o espírito. 

- E que mundo habitas?- indagou o homem aflito. 

- Minha pátria está situada a quinhentos milhões de léguas do Sol, numa pequena estrela ao pé de Sírio, a qual tu avistas daqui. 

- Belo país - exclamou Mêmnon - Quê! Não tendes entre vós loureiras que enganam um pobre homem, amigos íntimos que lhe ganham o dinheiro e lhe vazam um olho, bancarroteiros, sátrapas que zombam de vós recusando-vos justiça? 

- Não - disse o habitante da estrela -, nada disso. Jamais somos enganados pelas mulheres porque não as temos; não nos entregamos a excessos de mesa, porque não comemos; não temos bancarroteiros porque não há entre nós nem ouro nem prata; não nos podem vazar os olhos, porque não temos corpos à maneira dos vossos; e os sátrapas nunca nos fazem injustiça, porque em nossa pequena estrela todos são iguais. 

Disse-lhe Mêmnon, então: 

- Senhor, sem mulheres e sem jantares, em que empregais o vosso tempo? 

- Em velar - respondeu o gênio - pelos outros globos que nos são confiados: assim é que venho aqui te consolar. 

- Ah! Prosseguiu Mêmnon - por que não vieste a noite passada, para impedir-me de praticar tantas loucuras? 

- Eu estava ao lado de Assan, teu irmão mais velho -, respondeu o ser celeste. 
Ele é mais digno de piedade do que tu. Sua Graciosa Majestade, o rei das Índias, em cuja corte tem a honra de estar, fez-lhe vazar os dois olhos por causa de uma pequena indiscrição, e atualmente ele se acha num calabouço, de mãos e pés algemados. 

- Vale bem a pena - disse Mêmnon - ter um bom gênio na família para que de dois irmãos um se torne caolho, o outro cego, um se veja deitado sobre palhas e o outro prisioneiro. 

- Tua sorte mudará - replicou o animal da estrela. - Verdade é que serás sempre caolho; mas, ainda assim, serás muito feliz desde que não faças nunca o tolo projeto de ser perfeitamente sábio. 

- Então isto é uma coisa impossível de alcançar? - exclamou Mêmnon suspirando. 

- Tão impossível - respondeu-lhe o gênio - quanto ser perfeitamente hábil, perfeitamente forte, perfeitamente poderoso, perfeitamente feliz. Nós outros mesmos estamos bem longe disso. Há um globo onde tudo isto se encontra; mas nos cem milhões de mundos que se acham dispersos no espaço, tudo se segue gradativamente. Tem-se menos sabedoria e prazer no segundo que no primeiro, menos no terceiro que no segundo, e assim por diante até o último, onde toda a gente é completamente louca. 

- Tenho muito receio - disse Mêmnon - de que o nosso pequeno globo terráqueo seja precisamente as casas de Oates do Universo de que me dais a honra de falar-me. 

- Inteiramente não - disse o espírito -, mas aproxima-se disso: é necessário que tudo esteja em seu lugar. 

- Mas então - perguntou Mêmnon - certos poetas, certos filósofos, estão muito errados em dizer que tudo está bem? 

- Eles têm toda a razão - disse de lá de cima o filósofo, considerando a organização do Universo inteiro. 

- Ah! Não acreditarei nisso - retorquiu o pobre Mêmnon - senão quando deixar de ser zarolho.
 
 

Voltaire      
François-Marie Arouet


Aprenda a tornar sagrados seus instrumentos...
Venha fazer parte da Irmandade das Estrelas...
Clicke na iniciada para saber mais...


 
   Volta para Índice Tesouros Mitológickos 
   Volta para Índice Artigos & Textos
   Volta para Índice Geral do Imagick


Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
(0xx) (11) 3813.4123
 
 
 


imagick@imagick.org.br
 
 
 


Página desenvolvida por:
Imagick Edições e Comunicações Visuais


Quem somos O Imagick A Cidade das Estrelas A Irmandade das Estrelas Programação de Atividades Nossa Turma (Biografias) Contatos / Redes Sociais Cursos e Vivências Cursos Imagick ao Vivo Cursos e Vivências em CDs Cursos e Vivências em DVDs Programe sua Mente Reprograme sua Mente Vivências Externas Consultas Online Consulta Gratuita de Tarot I Ching Gratuito Runas Grátis Consulta ao Mestre Nazareno Reicki a Distãncia Oráckulo - Mensagem do Dia Pantáculos Zodiacais O Baú Magicko da Bruxa Pratickas Saude Magicka Treinamentos Magickos Meditações Magickas Orações Magickas Pensamento Magicko Consultas Pessoais Consulta Particular de Tarot Regressão de Memória Criação de Pantáculos Artigos Novidades Psiquê Mágicka Sistemas Mágickos Artigos Intrigantes Mistérios Curiosos Tradições Religiosas Comportamento Mágicko Música Magicka Notícias Mágickas Divertimentos Magickos Matemática Curiosa Variedades Significativas Ilusões Magickas Paginas Selecionadas Boletins Magickos Midia Fotos Magickas Videos Magickos Livros e Publicações Links Parceiros Imagicklan Nossa História Amor Incondicional Anjos e Demônios Consultas Gratis Vossos Deuses Deuses Egípicios Tipos de Magia Ser Bruxa Imagens de Jesus Reprograme sua Mente Cura pelo Pensamento Poder da Palavra Programação Mental Vida Secreta de Jesus A Pessoa de Jesus Tratamento Vidas Passadas Sistemas Alternativos Ritual de Pacto de Amor Bruxarias Magickas Runas e Numerologia Inscrição