Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick

Vila Velha

O Mistério da Taça de Pedra


 

O Parque Estadual de Vila Velha, próximo a Ponta Grossa, atrai visitantes não somente por suas famosas esculturas em rochas, mas também pela beleza natural de suas numerosas cavernas, as Furnas e a Lagoa Dourada.

De Curitiba, seguindo em direção ao oeste, o visitante chega aos Campos Gerais. E na região de Ponta Grossa encontra Vila Velha, a “extinta cidade de pedra”, onde esculturas rochosas com dezenas de metros de altura contam a formação do planeta.
 

Uma história que começou há 600 milhões de anos, quando a região era coberta por águas oceânicas. Seguiram-se 200 milhões de anos de erupções vulcânicas, que enrugaram o solo e formaram montanhas. Em seguida, a região foi coberta por geleiras.

Alguns milhões de anos depois, o derretimento das geleiras arrastou a areia e pedaços de pedras que existiam no fundo do extinto oceano. Foi assim que a Natureza esculpiu o Parque Estadual de Vila Velha.

São 23 formações rochosas que sugerem imagens de animais, objetos e figuras humanas, como a esfinge, o índio, o camelo e a taça. Há também uma gruta com imensas rochas suspensas, que parecem desafiar permanentemente as leis da Física.
 

Três quilômetros adiante, em direção a Ponta Grossa, chega-se a Furnas. São três crateras, com mais de 100 metros de profundidade e 80 de diâmetro, com poços de águas cristalinas. Numa delas há um elevador para turistas.

Dentro da cratera, a paisagem mistura o barulho das águas, a imponência das pedras e delicados arco-íris. No final da tarde, uma revoada de milhares de andorinhas surpreende o visitante.

A mesma água de Furnas percorre três quilômetros por baixo da terra para abastecer a Lagoa Dourada. Localizada no meio de um bosque, a lagoa tem águas rasas e transparentes. O reflexo do sol sobre as pedras dá cor dourada às águas.
 

Perto de Vila Velha encontra-se o Buraco do Padre, um anfiteatro de pedras no subterrâneo de uma elevação rochosa, com 43 metros de altura e 30 de diâmetro. De uma das paredes jorra uma queda d´água de uma altura de 30 metros, que forma um poço no interior da rocha.

O nome Buraco do Padre está ligado à história dos jesuítas no Campos Gerais. Eles costumavam se dirigir ao alto do platô para concentração e meditação, sendo observados pelos indígenas e caboclos, que passaram a chamar o local Buraco do Padre.
 

Os Campos Gerais abrigam também o Parque do Guartelá, com seu cânion de 32 quilômetros de extensão, o sexto maior do mundo. A formação geológica do cânion é da Era Paleozóica, há mais de 400 milhões de anos. Os desenhos rupestres, que mostram cenas de caça, são o rastro dos habitantes que lá estiveram há 2 mil anos.
 

A formação de Vila Velha Itacueretaba, antigo nome do que conhecemos
hoje por Vila Velha, significa aproximadamente "A cidade extinta de pedra".
Localizada a margem direita do rio Tibagi (o rio do pouso) na vasta e
ondulada ibeteba (planície) que Saint Hilarie, maravilhado, disse ser o
paraíso do Brasil.

Este recanto tinha sido escolhido pelos primitivos habitantes para ser
Abaretama (terra dos homens), onde esconderiam o Itainhareru, o precioso
tesouro. Tendo a proteção de Tupã, era cuidadosamente vigiado por uma
legião de Apiabas (varões), que eram escolhidos entre os homens de todas
as tribos, treinados para desempenhar a honrosa missão.
 

Os Apiabas tinham todas as regalias e distinções e desfrutavam de uma vida régia. Era-lhes, porém, vedado o contato com as mulheres, mesmo que fossem de suas próprias tribos. A tradição dizia que as mulheres, estando de posse do segredo do Abaretama, o revelariam aos quatro ventos e, chegada a notícia aos ouvidos do inimigo de seu povo, estes tomariam o tesouro para si. Por justiça, Tupã, o onipotente, deixaria de resguardar o seu povo e lançaria sobre eles as maiores desgraças se o tesouro fosse perdido.

Os Apiabas eram fortes, altivos e bravos; o seu único trabalho consistia em
realizar jardins na terra daquelas planícies. Tupã não permitia que, naquele
recanto sagrado, houvesse o pecado.

Numa certa época, Dhui ( em nossa língua corresponde a Luís) fora escolhido para chefe supremo dos bravos guerreiros. Como todos os outros, tinha sido preparado, desde a mais tenra infância, para essa sagrada missão. Dhui, entretanto, não desejava seguir aquele destino, celibatário. Seu sangue achava-se perturbado pelo feminil fascínio (era um chunharapixara - mulherengo).
 

As tribos rivais ao terem conhecimento da notícia, de pronto resolveram
aproveitar-se da situação e escolheram entre uma de suas donzelas a que
deveria ir tentar o jovem guerreiro e tomar-lhe o coração para arrebatar-lhe o
segredo. A escolhida foi Aracê Poranga (Aurora Bonita). Não lhe foi difícil
conseguir a atenção do ardoroso Dhui e, pouco a pouco, ia entrelaçando-se a sua habilidosa teia, de tal modo que ele ficou completamente apaixonado e subjugado a seus pés.

Ela já havia entrado no Abaretama com o consentimento de Dhui, que não teve como resistir-lhe ao desejo. Mas Aracê era mulher e Dhui homem. Traiu seus parentes em nome do amor, como ele traiu a sua missão em nome dela. Numa tarde primaveril, quando os Ipês (árvores de casca) já florescidos deixavam cair suas flores douradas numa chuva de ouro, Aracê veio ao encontro de Dhui trazendo uma taça de Uirucuri, o licor dos butiás, para embebedá-lo; mas o amor já dominava sua razão e ela também tomou o licor e ficaram quedados a sombra do Ipê; langüidamente entrelaçados.
 

Tupã vingou-se desencadeando um terremoto que abalou toda a planície.
A fúria divina convulsionou-se dentro do solo e a região foi destruída, trazendo morte e dor. A Abaretama completamente destruída tornou-se pedra, o tesouro aurífero fundiu-se e liquidificou-se, e os dois amantes castigados ficaram um ao lado do outro petrificados. Ao seu lado ficou a causa de sua desgraça, a taça de pedra ...

E, quando ali se passa ainda se pode ouvir o vento repetindo a última frase
de Aracê: Xê pocê ô quê (dormirei contigo). E assim Abaretama tornou-se
Itacueretaba.
 

A terra se fendeu: são as grutas que encontramos próximas a Vila Velha e o tesouro fundido é aquela lagoa que chamamos de Lagoa Dourada, a qual quando o sol lhe bate em cheio, ainda reflete o brilho aurífero.

Dhui e Aracê, equivalente indígena de Adão e Eva, estão ainda hoje lado a lado circundados de Ipês descendentes daqueles que assistiram a morte dos dois. E os sobreviventes daquele povo partiram para outras terras onde a maldição de Tupã não os alcançasse. Fundaram outro império, nessas terras imensas da América do Sul.
 


Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
0xx-11-3813.4123



 
 
 
 
 
 
 


Produzido por Imagick Edições e Comunicações Visuais





Quem somos O Imagick A Cidade das Estrelas A Irmandade das Estrelas Programação de Atividades Nossa Turma (Biografias) Contatos / Redes Sociais Cursos e Vivências Cursos Imagick ao Vivo Cursos e Vivências em CDs Cursos e Vivências em DVDs Programe sua Mente Reprograme sua Mente Vivências Externas Consultas Online Consulta Gratuita de Tarot I Ching Gratuito Runas Grátis Consulta ao Mestre Nazareno Reicki a Distãncia Oráckulo - Mensagem do Dia Pantáculos Zodiacais O Baú Magicko da Bruxa Pratickas Saude Magicka Treinamentos Magickos Meditações Magickas Orações Magickas Pensamento Magicko Consultas Pessoais Consulta Particular de Tarot Regressão de Memória Criação de Pantáculos Artigos Novidades Psiquê Mágicka Sistemas Mágickos Artigos Intrigantes Mistérios Curiosos Tradições Religiosas Comportamento Mágicko Música Magicka Notícias Mágickas Divertimentos Magickos Matemática Curiosa Variedades Significativas Ilusões Magickas Paginas Selecionadas Boletins Magickos Midia Fotos Magickas Videos Magickos Livros e Publicações Links Parceiros Imagicklan Nossa História Amor Incondicional Anjos e Demônios Consultas Gratis Vossos Deuses Deuses Egípicios Tipos de Magia Ser Bruxa Imagens de Jesus Reprograme sua Mente Cura pelo Pensamento Poder da Palavra Programação Mental Vida Secreta de Jesus A Pessoa de Jesus Tratamento Vidas Passadas Sistemas Alternativos Ritual de Pacto de Amor Bruxarias Magickas Runas e Numerologia Inscrição