Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
..
Alcançando o Conhecimento
.

.

Por Max Freedom Long
.
Havia, certa vez, uma vila, perto da qual ficava um templo em ruínas. Dizia-se que ele havia desmoronado por um tremor de terra, quando os deuses estavam muito zangados, e os sacerdotes tinham sido mortos na queda. Dessa forma, ninguém podia ter certeza de qual deus tinha vivido no santo-dos-santos do templo e qual poderia ter sido seu nome.

Contudo, conservou-se uma tradição referente a esse Desconhecido. Murmurava-se que, em tempos passados, não se tinha senão que entrar no templo, ultrapassar os sacerdotes e ficar em certa rotunda para estar na presença do Desconhecido. Uma vez lá, podia-se pedir o que era desejado e seria concedido. A lendária rotunda ainda existia e muitos eram os habitantes da vila que entravam nela e diziam uma prece, esperando que o Desconhecido ouvisse e respondesse com o poder miraculoso e a generosidade que a tradição descrevia.

Às vezes, uma prece era respondida, ou pelo menos a coisa pedida acontecia. Alguns afirmavam que a prece fora respondida, outros que a coisa desejada teria acontecido por si própria, de qualquer forma. Mas era largamente mantida a crença de que havia uma chave perdida em toda a questão. Foi decidido que se devia trazer alguma coisa rara como presente, a fim de ser ouvido. Alguns pensavam que era preciso saber e falar um certo nome secreto e esquecido do Desconhecido e outros diziam que uma certa fórmula devia ser usada ao fazer a prece e oferecê-la como presente.

Por fim, foi concluído que todos os melhores e mais sábios homens e mulheres da vila deveriam revezar-se em apelar ao Desconhecido, com uma oferenda e um pedido, e proceder como ele ou ela achasse melhor. Então, se algum deles encontrasse a oferenda, fórmula ou combinação destes, certa, o segredo devia ser compartilhado com todos. Esse era o compromisso compartilhar o segredo com todos.

Um escriba foi apontado para sentar-se com tábuas de argila e estilo para registrar as coisas que cada adorador fazia e dizia, pois fora decidido que o registro devia ser conservado com muitos detalhes e com o máximo cuidado, não importa quão simples pudesse ser o apelo de algum senhor idoso e tremulo ou de uma virgem inexperiente. 
 

Nada devia ser desprezado mesmo o tolo da vila podia acidentalmente topar com o presente ou palavra corretos.

Dias após o escriba observava e escrevia em sua lousa de argila molhada, colocando cada cilindro completo e numerado, cuidadosamente, para secar ao sol. Umas poucas preces menores pareciam na verdade ter sido ouvidas e respondidas. A vaca da viúva recuperou-se rapidamente e a chuva necessária certamente chegou depois que um dos anciãos orara fervorosamente por ela. Mas, como todos tristemente admitiram, a vaca podia ter se recuperado e a chuva podia ter caído sem o benefício da prece.

Quando se aproximou o fim do verão, os cilindros de argila acumulados tinham subido quase até formar um altar; havia tantos deles e ainda faltava a chave perdida não tinha sido encontrada. Transmitiu-se a palavra de que o teste chegaria ao fim, porque não havia ninguém que não tivesse tentado. Finalmente o escriba ficou sozinho, perguntando-se o que faria com seus muitos registros.

"Que desperdício de meu melhor tempo e esforço", dizia tristemente. "E que infelicidade que nenhum dos aldeões sabia a forma correia de apelar ao Desconhecido". Ele suspirava e começava metodicamente a arremessar os cilindros de argila fora da rotunda, nos escombros. Quando finalmente terminou, escovou o assoalho de mármore com cuidado, a fim de que o lugar do Desconhecido ficasse arrumado e imaculado. Em sua mente, estava pensando:

"Ninguém viu o Desconhecido e alguns dizem que ele não está mais aqui. Mas em todas estas semanas, enquanto eu observava, ouvia e registrava, tive um sentimento crescente de que o Desconhecido estava realmente aqui, que estava ouvindo com muita esperança, tão ansioso de ver encontrada a chave perdida quanto qualquer pessoa viva."

Repentinamente sentiu uma onda de emoção levantar-se dentro dele. Ergueu o rosto e disse: "Oh, Desconhecido, não fiques triste! Mesmo se a chave estiver perdida e mesmo se os homens cessarem de acreditar que tu existes, ou que tu ouves! Se for de algum consolo para ti, sabe que eu, o Escriba, acredito em ti sem sombra de dúvida. Sei em meu coração que tu estás sempre aqui e que anseias por ajudar-nos... Então ouve-me agora, grande Desconhecido! Faço uma última prece antes que os homens te deixem ficar esquecido. Não sei nada da chave, não tenho oferenda e não há nada que eu deseje pedir. Tudo o que desejo é que tu possas conhecer a minha fé na tua veracidade e que te amo e anelo confortar-te de alguma forma."

O escriba fez uma pausa por um longo momento e então acrescentou, desculpando-se: "Sou apenas um pobre homem e tenho pouca sabedoria, mas se de alguma forma consolar-te, ó Desconhecido, deixa teu templo, que ficará solitário agora e vem viver comigo em minha humilde morada; serias mais que bem-vindo. Eu compartilharia tudo o que tenho contigo e te amaria e adoraria... e nunca pediria que respondesses a uma prece. Seria suficiente somente saber que tu estavas comigo e contente de ser amado e convidado e sentar-se à minha mesa, andar fora de casa comigo ou descansar no frescor do dia à sombra de minha árvore..."

O escriba não podia pensar em mais nada para dizer, assim cessou de falar e virou-se para ir. Quando se virou, repentinamente sentiu a Presença, forte e certa desta vez. "Ah!", gritou com a alegria inundando-o, "Estás aqui! Tu virás! Viverás comigo e compartilharás de minha vida e deixar-me-ás confortar-te, amar-te e servir-te! Obrigado do fundo do meu coração... Agora vamos. Devo dizer à minha boa mulher para colocar um lugar para Ti na cabeceira da mesa. Vem!"

Dizem que há uma tábua de argila num museu empoeirado e sobre ela o registro de toda a questão. Ao final do registro, onde a argila do cilindro tinha sido quebrada de formas que somente parte da mensagem podia ser lida, pode ser encontrado o que o Escriba registrou no fim de sua vida como "A Verdadeira Chave".

Estas palavras podem ser decifradas: "verdadeira Chave... oferenda... amor... da mente... coração... no profundo interior... todas coisas necessárias... renovo diariamente a oferenda..." As ultimas palavras podem ser lidas bem claramente: "O Amor é poder e adoração."
 

Moisés deu a chave oculta quando proclamou os mandamentos: "Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, toda tua alma e todo teu poder." Afastando o véu de suas palavras, vemos que no "coração" temos o eu básico. A emoção do amor vem dele. Na "alma" temos o eu médio, que ama após raciocinar sobre todas as coisas que merecem amor. E, na frase "todo teu poder", temos o Segundo Mistério do mana ou força vital que deve ser enviado ao Eu Superior, que ocupa o lugar de Deus Supremo, por sobre e acima de cada um de nós.

O Amor de Deus é coisa natural nas criaturas do mundo, mesmo se não reconhecido como tal pelo inseto, pássaro ou animal. Instintivamente eles vibram na harmonia da Vida, que é amor e uma força de união e construção, não uma força destrutiva.

O eu básico normal amará o eu médio e o Eu Superior, instintivamente. Não precisará ser ensinado. Ele é como um cão fiel que esbanja amor sem questionar seu amo, a não ser que o abuso e o temor resultante o façam encolher-se e bater em retirada.
 

O que necessitamos é de um eu básico livre de todos os temores de um "Deus ciumento e vingativo" dos ensinamentos do Velho Testamento. Precisa ser libertado dos falsos sentimentos de culpa e ser-lhe permitido fazer reparação de uma forma ou de outra, pêlos "pecados" cometidos pelo seu homem. Deve ser-lhe dito pelo eu médio que está perdoado e purificado e que é profundamente amado, a despeito de todos os pecados passados de cometimento ou omissão. Somente quando liberado e purificado das convicções reais e falsas de "pecado", pode o eu básico expressar plenamente sua emoção natural de amor. A emoção gera mana é parte e parcela dele, e o amor leva mana aos Eus Superiores, porque instintivamente desejamos dar alguma coisa àqueles a quem amamos. A regra devia ser estabelecida desta forma: "Nenhuma emoção, nenhum mana. Nenhum amor, nenhum mana enviado como oferenda para dar poder aos Eus Superiores." Quando não forem sentidos amor e forte desejo emocional ao fazer uma prece, pode-se ter certeza de que o eu básico não está desempenhando seu papel, e que a prece será ineficaz.

A fim de amar o Eu Superior necessitamos somente chegar a conhecê-lo, não apenas através da razão e da reação emocional despertada pelo contato com o eu básico, mas também pela intuição. A intuição é algo dado ao eu básico pelo Eu Superior. É o Eu Superior mostrando seu rosto, por assim dizer, e uma vez que aquele rosto brilhante de Luz é visto ou sua presença é sentida, há um CONHECIMENTO.

A fim de CONHECER, devemos conservar em mente o fato de que a razão e a emoção, enquanto indispensáveis como um fundamento para nossa crença, não podem nunca dar-nos aquela "certeza" interior final, completa e duradoura que dispersa as dúvidas como a luz dispersa as trevas em toda nossa vida. Esta luz somente pode vir do Eu Superior, porque ele é a Luz.
 

Esta coisa brilhante e maravilhosa que estamos discutindo tem sido o objeto de incontáveis ensinamentos e escritos esotéricos. Eles todos podem ser resumidos no mandamento oculto "Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus".

O conhecimento intuitivo foi chamado de "realização" em alguns países. Nos círculos cristãos primitivos foi chamado de "iluminação", porque tantos eram capazes de ver o Eu Superior como uma luz branca sem semelhança com nenhuma luz terrestre. Mais tarde, a palavra "batismo" veio substituir "iluminação" e o verdadeiro significado foi gradualmente perdido.

Os primitivos sábios do Islam eram inclinados a velar o Segredo de forma menos densa. No Kashf AI-Mahjub podemos ainda ler a conclusão final alcançada, depois de longas deliberações, por um grande sábio cuja bíblia era o Alcorão.

Escreveu ele:

"Você deve saber que o conhecimento concernente à existência do espírito é intuitivo... e a inteligência é incapaz de apreender sua natureza (do espírito)."

Nossa busca por Deus é a busca por nós próprios. Deus está em nós e nós nEle. Na busca por nós mesmos, devemos trilhar levemente e ouvir cuidadosamente. O eu básico fala-nos com emoção, e quando perguntamos: "É verdade que somos três?", ele responderá, quando tiver aprendido a verdade absoluta deste fato, com um fluxo rápido de emoção de completa confiança e fé. Se então perguntamos ao Eu Superior: "Isto é total e completamente verdadeiro?" ele responderá, mas de uma forma muito diferente. A intuição é um conhecimento súbito. Pode ser reconhecido porque está acima, além, livre da necessidade de raciocínio, memória ou emoção. E quando aquele súbito conhecimento chega num relâmpago do Eu Superior, não há chance possível de contradição ou erro. É como se Deus tivesse falado em nós e proferido a palavra final da verdade. Às vezes nos são dados conhecimentos intuitivos de um estado que podemos um dia experimentar. Este estado é um no qual não mais dependemos dos sentidos do eu básico ou do raciocínio do eu médio para dizer-nos que somos um ser vibrante e vivo. Uma vez que se receba esta experiência intuitivamente, nunca se pensa em duvidar que tal estado seja real e que algum dia pode-se entrar nele e experimentá-lo.

A tradição do Eu Superior é muito clara no Cristianismo, como também na literatura gnóstica não incluída no Novo Testamento, quando muitos escritos foram classificados e alguns selecionados para tornar-se a versão oficial da Igreja primitiva. Considere estas passagens:

E quando os fariseus perguntaram quando o reino de Deus chegaria, ele respondeu-lhes e disse: "O reino de Deus não vem a fim de que seja observado. Nem dirão eles: ei-lo aqui ou ei-lo ali, pois vede, o reino de Deus está dentro de vós". (Lucas, 17, 21-22).

Lembrando o que decidimos sobre o conhecimento intuitivo que vem dos Eus Superiores para completar nossa crença e fé, pondere sobre esta citação de um dos escritos gnósticos, tirada da página 602 do livro de G.R.S. Mead "Fragmentos de uma Fé Esquecida", na seção denominada "Alguns ditos esquecidos":

"Disse Jesus... e o Reino do Céu está dentro de vós; e quem quer conhecer a si próprio o encontrará. Esforçai-vos, pois, em conhecer-vos e estareis cientes de que vós sois os filhos do Pai; e vós sabereis que estais na Cidade de Deus e que vós sois a Cidade."

Em seguida, considere este trecho de uma antiga fonte hindu, o Brihad Aranyaka Upanishad:

"Onde é o lugar da verdade? No coração, disse ele, pois pelo coração o homem conhece a verdade; o coração, portanto, é o lugar da verdade."

O coração é o símbolo do lugar de encontro dos eus básico e médio. É onde eles se tornam um, compartilhando suas crenças mútuas e abençoando-as com o raciocínio, de um lado, e a emoção da fé, do outro. Mas o Pai-Mãe Eu Superior frequentemente sente isso telepaticamente, quando voltamos nossos pensamentos e emoções para a única verdade de que o homem é três, assim como é Deus.

Nunca poderemos estar inteiramente certos e convencidos o tempo todo, sem sombra de dúvida, de que possuímos a verdade sobre os três eus a verdade suprema até que o conhecimento intuitivo seja alcançado.
 

EXERCÍCIOS

Imagine-se em uma situação em que não pode acreditar em nada, de forma alguma, com confiança. Imagine que você repentinamente descobre que as tabuadas de multiplicação estão todas erradas e que duas vezes quatro nem sempre dá oito. Imagine um lugar onde não se pode depender da força da gravidade e onde se pode flutuar com a brisa sem aviso prévio. Imagine a incerteza sobre se o sol poente se levantará novamente ou a incerteza sobre se a água estará boa para beber, no dia seguinte. Retorne ao seu próprio mundo maravilhoso e agradeça, pois o Deus em você e em seus muitos irmãos maiores ou menores é totalmente confiável e nunca mudará as leis por causa de alguma fantasia passageira. Agradeça que você também está se tornando mais e mais totalmente confiável dia após dia, em tudo o que você faz. 

AFIRMAÇÃO: Vejo claramente que a verdade e a ordem caminham de mãos dadas. Devo perceber a grande verdade de meu ser triplo, e devo prosseguir de forma ordenada, passo a passo, seguindo as regras, a fim de que não possa transviar-me.

Dou graças pelas grandiosas leis que tornam todas as coisas ordenadas. Aceito aquela ordem como a lei central do viver e de minha própria vida. 

AFIRMAÇÃO: Raciocinei cuidadosamente e estou convencido de que posso receber o conhecimento interno de meu ser, que não deixará nenhuma margem de dúvida. Afirmo minha crença na verdade de meu eu, de meu eu básico e de meu Eu Superior. Afirmo minha crença de que posso ensinar meu eu básico a acreditar no que creio, contando e recontando-lhe pacientemente. Acredito que quando nós, eus básicos e médios, tivermos feito nossa parte e estivermos prontos, o Eu Superior nos dará o ingrediente do puro conhecimento. Após isso, nossa unidade permanecerá grandiosa e inquestionável, que é a soma da sabedoria.

Dou graças que agora entendo como vencer as dificuldades para chegar à suprema fé que vem com o conhecimento. Prometo trabalhar pacientemente cada dia para ensinar meu eu básico a crer, como eu creio, e quando chegar a hora, vigiarei cada dia e convidarei a vinda da Luz que ilumina o mundo todo com seu conhecimento.

AFIRMAÇÃO: Vejo claramente que a prece eficaz torna-se possível quando meu eu básico é ensinado a acreditar como eu creio, na Verdade, e quando, após isso, o Eu Superior puder dar o CONHECIMENTO intuitivo que torna a fé e crença certas e estáveis. Continuo a tomar as medidas necessárias para alcançar este ponto em meu crescimento.

Percebo que amor e ausência de egoísmo são a LEI no nível do Eu Superior, e que nenhuma prece é respondida, se pedir por fins egoísticos ou bênçãos para mim apenas. Também percebo que, quando sinto grande amor e desejo de ajudar o outro, estou caminhando com a Lei Superior e posso eu próprio ser abençoado com a resposta à minha prece por outrem.

Ensinarei esta lição a meu eu básico pela repetição e exercício pacientes, dia após dia, até que seu egoísmo animal ceda à bondade, comiseração, compaixão e AMOR.

Afirme com Isaías (40:31) "Mas aqueles que esperam no Senhor (Eu Superior) renovarão as suas forças; voarão (no conhecimento) como águias; correrão e não se cansarão, andarão e não desfalecerão."

Afirme como o Três Vezes Grande Hermes: "Porque nunca... poderá uma alma incorporada, que uma vez saltou para as alturas a fim de conseguir agarrar o verdadeiramente Bem e Verdade, escorregar de volta ao contrário."

PRECE: Guia-nos da escuridão para a Luz. Guia-nos da crença racional para a fé que inflama com a emoção e adiante até o CONHECIMENTO, que ultrapassa todos conhecimentos e ilumina a Verdade.

OBSERVAÇÃO: Esta seção de leituras é básica e precisará ser repetida tantas vezes quanto for necessário para gravar no eu básico as verdades que rodeiam a verdade do Eu Superior.

Continue voltando a elas, fazendo uso diário das afirmações. Se o tempo for limitado, selecione umas poucas sentenças que contenham o que pareça adaptar-se às necessidades do dia e medite nelas enquanto trabalha. Marque seções que forem consideradas especialmente úteis e use-as repetidamente, para tê-las bem plantadas em seu eu básico.

Faça suas próprias afirmações, que sejam adequadas a necessidades particulares e procure passagens inspiradoras em seus escritos religiosos favoritos para meditar sobre elas e ajudá-lo em um CONHECIMENTO interior profundo e duradouro.
 
 

  Para ir ao esquema Huna de conhecimento 
 clicke no botão ao lado

  
Max Freedom Long
Psicólogo e lingüista
Morou no Hawaí na primeira metade do século XX,
revelou ao mundo a filosofia e as técnicas dos Kahunas,
para todo tipo de "cura" do físico, da alma, do ambiente e da sociedade
(desde os desequilíbrios sociais até as desavenças familiares),
mostrando a eficácia e atualidade dos conhecimentos
daquele povo que podem beneficiar o cotidiano
de cada indivíduo no mundo de hoje.

.
..

.    .

Encontre seu ser complementar
.   com a vivência: Em Busca da Alma Gêmea   .

Gravado em CD, para você poder praticar em sua casa

Enviamos para você pelo Correio

Clicke no coração para saber mais

 
 Volta para página inicial 
 Vai para atividades do mês
 Volta para Índice Geral do Imagick
boletim@imagick.org.br
 
 


Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
Uma escola moderna de magia
(0xx) (11) 3813.4123
 
 
 


Página desenvolvida por:
Imagick Edições e Comunicações Visuais



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Quem somos O Imagick A Cidade das Estrelas A Irmandade das Estrelas Programação de Atividades Nossa Turma (Biografias) Contatos / Redes Sociais Cursos e Vivências Cursos Imagick ao Vivo Cursos e Vivências em CDs Cursos e Vivências em DVDs Programe sua Mente Reprograme sua Mente Vivências Externas Consultas Online Consulta Gratuita de Tarot I Ching Gratuito Runas Grátis Consulta ao Mestre Nazareno Reicki a Distãncia Oráckulo - Mensagem do Dia Pantáculos Zodiacais O Baú Magicko da Bruxa Pratickas Saude Magicka Treinamentos Magickos Meditações Magickas Orações Magickas Pensamento Magicko Consultas Pessoais Consulta Particular de Tarot Regressão de Memória Criação de Pantáculos Artigos Novidades Psiquê Mágicka Sistemas Mágickos Artigos Intrigantes Mistérios Curiosos Tradições Religiosas Comportamento Mágicko Música Magicka Notícias Mágickas Divertimentos Magickos Matemática Curiosa Variedades Significativas Ilusões Magickas Paginas Selecionadas Boletins Magickos Midia Fotos Magickas Videos Magickos Livros e Publicações Links Parceiros Imagicklan Nossa História Amor Incondicional Anjos e Demônios Consultas Gratis Vossos Deuses Deuses Egípicios Tipos de Magia Ser Bruxa Imagens de Jesus Reprograme sua Mente Cura pelo Pensamento Poder da Palavra Programação Mental Vida Secreta de Jesus A Pessoa de Jesus Tratamento Vidas Passadas Sistemas Alternativos Ritual de Pacto de Amor Bruxarias Magickas Runas e Numerologia Inscrição