Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
.
Reflexões Sobre a Bíblia
 
 ...
por: Moab José José de Araújo e Sousa

1. Introdução

A Bíblia tem sido, ao longo dos tempos, objeto da minha curiosidade. Desde a infância, quando aos domingos pela manhã meu pai reunia todos em volta da mesa para o culto familiar. Durante anos, lemos e estudamos a Bíblia – do Velho ao Novo Testamento -, de Gêneses ao Apocalipse. Hoje, a maioria dos pesquisadores dão preferência aos títulos: Primeiro Testamento e Segundo Testamento, para evitar entender-se que os judeus seguem o que é “velho”, e os cristãos, o que é “novo”.

No meu entendimento de criança, ficava encantado com algumas narrativas, embevecido com os ensinamentos contidos noutras e, ao mesmo tempo, confuso diante de determinadas passagens. Como líamos e comentávamos tanto o Primeiro, como o Segundo Testamento, não podia deixar de fazer algumas comparações. Para mim, era gritante a diferença entre o deus de Moisés, e o deus apresentado por Jesus. Enquanto o primeiro era um deus irado e não rara vezes violento, o segundo, um deus extremamente amoroso, justo e bom. O deus de Moisés, o Senhor, o deus de Jesus, o Pai. 

Assim, as dúvidas, os questionamentos, povoavam a minha cabeça... Mesmo porque, ouvia dizer que a Bíblia era a “palavra de Deus” e não podia ser questionada. Percebia, entretanto, um fato muito interessante: as pessoas da minha convivência, em sua maioria, aceitavam a Bíblia como sendo a palavra de Deus muito mais por temor, do que propriamente por crença. Muito mais por medo da “ira de Deus”, “da punição”, do que por acreditar no seu “Amor incondicional”. Mas, a definição de João Evangelista vibrava em minha mente, e no meu coração: “Deus é Amor”. 

Anos mais tarde, aprendi com Carlos Torres Pastorino, autor de “Minutos de Sabedoria”, em sua obra magistral “A Sabedoria do Evangelho – Volume I” (Editora Sabedoria), que existem alguns requisitos básicos para se ler e interpretar as escrituras: 
1) isenção de preconceitos; 
2) mente livre, não subordinada a dogmas;
3) inteligência humilde, para entender realmente o que está escrito 
    e não querer impor ao escrito o que se tem em mente; 
4) raciocínio perquiridor e sagaz; 
5) cultura ampla e poliforma, mas, sobretudo; 
6) coração despreendido (puro) e unido a Deus. 

Consciente de não possuir nenhum desses atributos, diante das escrituras me sinto apenas um “curioso” bem intencionado. Quem deseja ir mais além, não pode temer o desconhecido. Precisa desafiar limites, correr riscos, vencer o medo... transcender! 

No dizer de Leonardo Boff (Tempo de Transcedência – Ed. Sextante - 2002), “Por isso, nós, seres humanos, temos uma existência condenada – condenada a abrir caminhos, sempre novos e surpreendentes”.
 
 

2. A Bíblia – os primeiros tempos

A história da Bíblia remonta há aproximadamente 4 mil anos, época em que os judeus eram um povo nômade ocupante da região onde hoje é a palestina, não tendo ainda um livro sagrado que orientasse suas práticas espirituais. De pai para filho, as histórias contendo um fundo moral, eram assim, oralmente repassadas. Esse costume fez surgir os cânticos religiosos que, sempre repetidos, ajudavam na memorização das histórias, formando, podemos assim dizer, o “embrião” da Bíblia, fortalecendo e preservando a cultura, tradições e crenças desse povo. Dezenas de séculos passaram até serem, essas memórias, devidamente resgistradas na cerâmica, depois no pergaminho, e mais tarde no papiro, sendo incontáveis vezes, escritas e re-escritas. Outras dezenas de séculos, como é de se imaginar, foram ainda necessários, até a Bíblia chegar à estrutura que conhecemos na atualidade: O Tanách, a Bíblia Judaica – 24 livros; a Bíblia católica - 73 livros, e a Bíblia protestante - 66 (Revista das Religiões – Edição 12 – agosto de 2004 – Editora Abril). É impossível que tais registros, orais e depois escritos, passando por tantas gerações, se mantivessem intactos, não sofrendo alterações. Tal como a experiência do “correio de voz”, quando colocamos algumas pessoas, uma ao lado da outra, dá-se uma “mensagem” à primeira da fila pedindo que esta seja repassada a seguinte, e assim por diante... Dificilmente a mensagem chega à última pessoa da fila sem sofrer alterações no seu conteúdo original, em parte ou no todo.
 

3. Indícios e evidências das alterações

Vamos recorrer mais uma vez a Pastorino, na obra anteriormente citada, para falarmos sobre as alterações ocorridas na Bíblia, ou melhor, nos livros que formam a Bíblia. Essas alterações devem ter acontecido (e aconteceram), quando consideramos as seguintes ocorrências: “Harmonização – tentativas que faziam os copistas para “harmonizar” um texto de um livro com o de outro, acrescentando ou tirando palavras; Interpolação – quando um leitor anotava, na entrelinha ou na margem, um comentário seu, e o copista, julgando-o um “esquecimento” do copista anterior, introduzia esse comentário como parte do texto”. Além disso, os chamados “copistas” ou “escribas” eram bons desenhistas de letras, mas nem sempre dominavam o conhecimento da língua. Não existiam sinais gráficos que separassem as orações, as palavras eram copiadas uma após as outras seguidamente, economizando o papiro, material de custo elevado, gerando contudo, algumas confusões. A título de esclarecimento, Carlos Torres Pastorino era diplomado em filosofia e teologia pelo Colégio Internacional S. A. M. Zacaria, em Roma. Diplomado também em Português e Geografia, falava espanhol, francês, italiano, inglês, latim e grego.

O que Pastorino escreveu na década de 60, está em perfeita sintonia com o texto da “Revista das Religiões” – ano de 2004, já citada, quando diz: “Os relatos mais remotos sobreviveram ao tempo por cópias de outras cópias”, e mais adiante, “ao comparar antigas cópias manuscritas, é possível encontrar muitas anotações e mesmo interpretações sobre os originais”. 
 

4. A construção da Bíblia

Como vimos, a Bíblia foi escrita durante séculos, sendo produto de muitas mãos. Aos poucos, essas narrativas a princípio independentes, foram reunidas e ordenadas, mas sem a preocupação com a ordem cronológica. “Muitos escritos são obras de diversas mãos, produzidos em várias fases e precariamente enleados”, acrescenta Johan Konings, biblista e autor do livro “A Palavra se fez livro” (Edições Loyola – 2002), conforme citação da “Revista das Religiões”.

Originalmente, do “Tanách” – a bíblia Judaica -, constava apenas o pentatêuco, também conhecido como o “Torá”, ou seja: Gêneses, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Com o acréscimo de outros livros, o Tenách passou a ter um total de 24.  A versão da Bíblia, do hebraico para o grego, segundo a tradição, ocorreu mais ou menos no século 3 a.C., no reinado de Ptolomeu Filadelfo, denominada de “Septuaginta”, também conhecida como “Bíblia dos Setenta”. As explicações para o nome, são várias. A tradução teria sido feita por 72 sábios judeus, em 72 dias e, 70, eram as principais línguas faladas no mundo, excetuando-se as consideradas variantes, híbridas ou dialetos dessas setenta.

Sendo assim, quando se fala na tradução da Bíblia do hebraico para o grego, é bom considerar-se o que diz o professor de hebraico, Avraham Avdan Bem-Avraham Corrêa, no prefácio do livro “Analisando as Traduções Bíblicas” (Editora Idéia – 4ª. Edição – 2002), de autoria de Celestino Severino da Silva, estudioso do hebráico e da Bíblia: “Na realidade, ao se traduzir o Tanách para o grego e depois para o latim, e depois ainda às línguas ocidentais, originando a Bíblia que o Ocidente conhece, conceitos semíticos incompreensíveis para gregos e romanos (hindo-europeus) ou até opostos às concepções helênicas, foram adaptados a conceitos heleno-latinos, nem sempre exatos, para que as sociedades neo-cristãs pudessem entendê-las, embora com o sacrifício do sentido original”. 

Quase quatro séculos depois, lá pelos idos dos anos 80 a 100 a.C., na palestina, em Jâmnia, foram definidos pelos judeus alí reunidos, os livros que formariam o “Velho Testamento”, em número de 39 (que arrumados de forma diferente, formam os 24 livros do Torá), considerando os seguintes aspectos: eram os mais antigos produzidos na palestina; estavam escritos em hebraico; e tinham orientação favorável a Israel. 

Sobre a escolha dos livros que comporiam a Bíblia, lemos na “Revista das Religiões”(já citada), o seguinte: “A escolha dos livros da Bíblia – considerados sagrados e divinamente inspirados – ocorreu em 393 no Concílio de Hipona, na África do Norte”(o grifo é nosso). Mas, apenas no Concílio de Trento, em 1546,  foram definidos os 73 livros da Bíblia, sendo: 39 do cânone hebráico; os 7 deuteronômicos; e os 27 do Novo Testamento. Estava assim, constituída a Bíblia Católica, já que a Bíblia protestante, conta apenas 66 livros.

Temos, assim, três bíblias: O Tanách, ou a Bíblia Judaica (o nosso Velho Testamento) com 24 livros; a Bíblia Protestante ou evangélica, com 66 livros; e, a Bíblia Católica com 73 livros. Por que a diferença no número de livros de uma bíblia para outra? O que continham os livros, por que, e por quem foram excluídos? São perguntas que precisam de respostas. Diz frei Jacir de Freitas, exegeta do Instituto Santo Tomás de Aquino: “Cerca de 52 livros do Primeiro Testamento e 60 do Novo ficaram de fora, além de milhares de papiros e pequenos fragmentos, escritos no século 2 a.C. ao 8 d.C.” e, arremata, “São verdadeiras preciosidades. Trata-se de uma outra Bíblia, uma Bíblia apócrifa” (Revista das Religiões – já citada – o grifo é nosso). 
 

5. Conclusão

Para  se fazer uma análise criteriosa sobre a Bíblia, alguns aspectos precisam ser considerados. Peço licenca, então, para transcrever alguns trechos, com citações de vários estudiosos do assunto (Revista das Religiões – já citada):

“A Bíblia é uma seleção de escritos do grupo que conseguiu impor sua visão de Deus”. 
(André Chevitravesse – historiador da Universidade Federal do Rio de Janeiro.)

“Até chegar na Bíblia tal qual ela é hoje houve brigas de grupos, de ideologias, por motivos doutrinários e sociopolíticos”. 
(Luigi Schiavo – cientista da religião – Universidade Católica de Goiás)

“Mas o critério de inspiração passou pelo raciocínio humano, porque grupos de pessoas decidiram quais eram os livros que deveriam entrar”. 
(Pastor Daniel Godoy – professor do Instituto Teológico de São Paulo)

Deus não escreveu e nem escreve livros. Quando necessário inspirou, inspira, ou inspirará os homens a escrevê-los. No entanto, o conteúdo dos mesmos dependerá sempre da pureza espiritual de quem escreve, bem como de suas condições morais e éticas, a fim de que preconceitos, dogmatismos e interesses outros, não desvirtuem o sentido e a beleza da mensagem. 

Leonardo Boff (Fundamentalismo – Editora Sextante – 2002), aprofunda-se no estudo do fundamentalismo que, de maneira equivocada e preconceituosa, é creditado apenas às religiões islâmicas. Porém, o encontramos também enraizado no cristianismo sob diversas formas. Diz Boff: “Parte-se do princípio de que a história e as palavras não ficam congeladas no passado. Elas mudam de sentido ou ganham novas ressonâncias com a mudança dos contextos históricos. Por isso precisam ser interpretadas para que seja resgatado o sentido original. Esse procedimento para os fundamentalistas é ofensivo a Deus, é obra de Satanás. A Bíblia não precisa ser interpretada, ela é apalavra de Deus, e o Espírito Santo ilumina as pessoas para compreenderem os textos. Por razões semelhantes, eles se opõem aos avanços comtemporâneos da história, das ciências, da geografia e especialmente da biologia que possam questionar a Bíblia” (o grifo é nosso). 

É o perigo que corremos quando perdemos o equilíbrio, o bom senso, a direção, e aportamos no fanatismo e este nos conduz ao fundamentalismo religioso. Esse mesmo fundamentalismo que deu origem a tantas páginas lamentáveis da nossa história religiosa, tais como a inquisição, as cruzadas, a guerra entre católicos e protestantes na Irlanda, os conflitos do Oriente Médio, etc. Finalizando, vale apenas observar as palavras do padre Shigeyuki, do Centro Bíblico Verbo: “A ambiguidade no uso da Bíblia aparece constantemente no nosso dia-a-dia. Conforme a interpretação, pode-se tranaformá-la em instrumento de vida e de libertação, ou de morte e opressão” (o grifo é nosso). 

Certa feita, em um artigo, assim escrevi: “Afinal, dizem (a Bíblia) é “a palavra de Deus”. Mas – é bom não esquecer – escrita e re-escrita pelos homens, em várias épocas, segundo seus próprios interesses”. E hoje, acrescentaria: segundo as suas possibilidades. Lembrando ainda, em tempo, a máxima de São Jerônimo (o grifo é mosso): “A verdade não pode existir em coisas que divergem”.

Saudações e paz para todos!
Moab José José de Araújo e Sousa
Lar “Pouso da Esperança”
São Luiz/Maranhão – julho de 2004.
moab@elo.com.br
Texto recebido pelo Imagick de
Mahatma Multimídia
Fonte: Portal UOL - Saúde


Mahatma - Philippe Piet van Putten
O artista multimídia e sensitivo Mahatma (Philippe Piet van Putten), 
recriador do científico-espiritualismo, coordena grupos de 
estudos espirituais e paracientíficos desde os 14 anos de idade.
Aos 16 proferia palestras públicas semanais sobre os 
maiores mistérios da Criação, abordando um imenso leque de 
áreas do conhecimento.

Esta série consiste de extratos de suas 
centenas de conferências e artigos, separados por temas.

A reprodução é permitida desde que seja citada a fonte.

 
Já está à sua disposição
o curso fundamental do Imagick.
....
Pensamento Mágicko - Etapa 1
.
O Despertar
.
São vinte aulas, em vinte CDs,
com todos os exercícios e todas explicações teóricas.
..
O Imagick confere certificado de aproveitamento.
.
Você pode adquirir o pacote completo
ou ir recebendo as aulas de acordo com o seu desenvolvimento.
.
Para saber mais clicke no bruxo

Observação: Já estão a sua disposição
a Etapa II e a Etapa III.

 
 Volta para página inicial 
 Vai para atividades do mês
 Volta para Índice Geral do Imagick

boletim@imagick.org.br
 
 


Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
Uma escola moderna de magia
(0xx) (11) 3813.4123
 
 
 


Página desenvolvida por:
Imagick Edições e Comunicações Visuais


Quem somos O Imagick A Cidade das Estrelas A Irmandade das Estrelas Programação de Atividades Nossa Turma (Biografias) Contatos / Redes Sociais Cursos e Vivências Cursos Imagick ao Vivo Cursos e Vivências em CDs Cursos e Vivências em DVDs Programe sua Mente Reprograme sua Mente Vivências Externas Consultas Online Consulta Gratuita de Tarot I Ching Gratuito Runas Grátis Consulta ao Mestre Nazareno Reicki a Distãncia Oráckulo - Mensagem do Dia Pantáculos Zodiacais O Baú Magicko da Bruxa Pratickas Saude Magicka Treinamentos Magickos Meditações Magickas Orações Magickas Pensamento Magicko Consultas Pessoais Consulta Particular de Tarot Regressão de Memória Criação de Pantáculos Artigos Novidades Psiquê Mágicka Sistemas Mágickos Artigos Intrigantes Mistérios Curiosos Tradições Religiosas Comportamento Mágicko Música Magicka Notícias Mágickas Divertimentos Magickos Matemática Curiosa Variedades Significativas Ilusões Magickas Paginas Selecionadas Boletins Magickos Midia Fotos Magickas Videos Magickos Livros e Publicações Links Parceiros Imagicklan Nossa História Amor Incondicional Anjos e Demônios Consultas Gratis Vossos Deuses Deuses Egípicios Tipos de Magia Ser Bruxa Imagens de Jesus Reprograme sua Mente Cura pelo Pensamento Poder da Palavra Programação Mental Vida Secreta de Jesus A Pessoa de Jesus Tratamento Vidas Passadas Sistemas Alternativos Ritual de Pacto de Amor Bruxarias Magickas Runas e Numerologia Inscrição